Amor

Ahhh o Amor…

Tive o amor de criança..

O da adolescência, forte e intenso…

O da maturidade, amava mais do que a mim mesma..

Engravidei e casei, de um amor que nasceu de uma amizade…

Me separei e me deparei com a realidade…

Depois de um tempo me joguei numa aventur, e impulsivamente, casei após 3 meses, e desse relacionamento uma filha. E o que era improvável durou quase 15 anos, mas, como nada é pra sempre, acabou!

Ahh o Amor, essa palavrinha tão pequenininha e tão forte. Capaz de mover montanhas,  mudar pessoas e o mundo.

Hoje sei que podemos amar de muitas formas e podemos ter muitos amores.

Já acreditei que podíamos amar somente uma vez…

Acreditei no pra sempre, mas, como já dizia o gênio Renato Russo, “o pra sempre, sempre acaba “…

E até eu entender isso,  sofri muito por Amor!

Acreditei em príncipes, me entreguei, me anulei, me enganei,  romantizei…

Gosto da sensação de estar apaixonada,  do frio na barriga,  das borboletas no estômago…

Não gosto do morno. Estar apaixonada é não viver no “morno”. Gosto da temperatura alta.

Sou intensa, vou até as últimas conseqüências, e essas, nem sempre são boas.

Quando se é intensa, tudo vem na mesma intensidade: a tristeza,  a felicidade,  a dor, e isso pra mim, é viver de verdade.

É sentir o doce e o amargo, ir do céu ao inferno, rir de gargalhar, e chorar de soluçar…

Assim sou eu!

O que mudou?

Sou a prioridade. Me amo, amo a vida, e a vida me ama…

Continuo sonhando e vivendo intensamente os momentos felizes, porque sei,  que são só momentos, e que nada é pra sempre…

Ahhhh o AMOR!