Amor

Ahhh o Amor…

Tive o amor de criança..

O da adolescência, forte e intenso…

O da maturidade, amava mais do que a mim mesma..

Engravidei e casei, de um amor que nasceu de uma amizade…

Me separei e me deparei com a realidade…

Depois de um tempo me joguei numa aventur, e impulsivamente, casei após 3 meses, e desse relacionamento uma filha. E o que era improvável durou quase 15 anos, mas, como nada é pra sempre, acabou!

Ahh o Amor, essa palavrinha tão pequenininha e tão forte. Capaz de mover montanhas,  mudar pessoas e o mundo.

Hoje sei que podemos amar de muitas formas e podemos ter muitos amores.

Já acreditei que podíamos amar somente uma vez…

Acreditei no pra sempre, mas, como já dizia o gênio Renato Russo, “o pra sempre, sempre acaba “…

E até eu entender isso,  sofri muito por Amor!

Acreditei em príncipes, me entreguei, me anulei, me enganei,  romantizei…

Gosto da sensação de estar apaixonada,  do frio na barriga,  das borboletas no estômago…

Não gosto do morno. Estar apaixonada é não viver no “morno”. Gosto da temperatura alta.

Sou intensa, vou até as últimas conseqüências, e essas, nem sempre são boas.

Quando se é intensa, tudo vem na mesma intensidade: a tristeza,  a felicidade,  a dor, e isso pra mim, é viver de verdade.

É sentir o doce e o amargo, ir do céu ao inferno, rir de gargalhar, e chorar de soluçar…

Assim sou eu!

O que mudou?

Sou a prioridade. Me amo, amo a vida, e a vida me ama…

Continuo sonhando e vivendo intensamente os momentos felizes, porque sei,  que são só momentos, e que nada é pra sempre…

Ahhhh o AMOR!

ESCOLHAS

A vida é feita de escolhas!

Eu confesso,  fiz muitas escolhas “erradas”, mas, não me arrependo de nenhuma delas…

Algumas escolhas são difíceis, outras nem tanto,  mas em resumo, estamos sempre buscando essa “tal felicidade”.

E eu? Escolho ser feliz todos os dias, mesmo quando tudo está contra essa escolha.

Quando estou ansiosa, escolho meditar, e sou feliz…

Quando estou triste, escolho a melhor playlist, e sou feliz…

Quando me sinto sozinha, olho para o lado e vejo meus filhos, entro no grupo do Whatsapp “amigas para sempre” e sou feliz …

Quando estou sem dinheiro, me divirto com o Netflix, e sou feliz…

Quando fico carente, vou na academia,  tomo meu vinho e sou feliz…

Quando quero viajar e não posso,  assisto um dos filmes que mais amo, e sou feliz…

Quando estou na TPM, me acabo numa panela de brigadeiro, e sou feliz…

Quando me desesperei, respirei, orei, e escolhi ser feliz…

Quando não me achei, me reinventei, e fui feliz…

Quando eu achei que nada ia dar certo, abriram novas oportunidades, e sou feliz…

Quando achei que não tinha mais saída, olhei para o mar, e fui feliz…

Somos responsáveis por nossas escolhas!

E eu? Escolho ser feliz todos os dias!

COPA DO MUNDO

É impressionante como esse evento mobiliza e contagia as pessoas.

Gostando ou não de futebol, particularmente, eu nem gosto muito e nem tão pouco entendo, como por exemplo, nunca compreendi o que é estar “impedido” rsss…

Já nascemos torcendo para algum time, que herdamos do pai, da mãe ou dos avós.

Independente de classe social, raça, religião ou opinião política, é um acontecimento em que todos se unem em prol de um único objetivo: torcer para o seu país!

Temos muitos problemas e muita pobreza, mas é fato também, que a maioria dos jogadores encontrou nessa profissão a única oportunidade, e por ser um esporte popular, é também a “garantia” de diversão de muitos brasileiros.

Antes de iniciar os jogos confesso que não estava muito entusiasmada, eu, e muitos, que diante de tantas coisas ruins acontecendo no nosso país em várias áreas: saúde, educação, segurança, e a corrupção que se espalha como uma doença, enfim, tudo isso nos faz desacreditar e desanimar…

Mas, basta iniciar os jogos para o envolvimento acontecer:

A emoção de todos cantando o hino nacional.

A alegria de um gol!

A comemoração da galera!

A comoção da torcida!

Todos vestindo as cores do nosso país…

Como disse, não entendo nada de futebol, mas, como psicóloga e profissional de recursos humanos, é muito bacana observar o quanto a razão x emoção influencia no andamento e resultado do jogo, como é legal ver os momentos de garra e superação!

Além de ser uma competição envolvente, também tem muito para nos ensinar em vários aspectos comportamentais: liderança, trabalho em equipe, motivação, inteligência emocional, agilidade, proatividade, flexibilidade, respeito, etc

E, por tudo isso, mesmo estando longe de ser  um país “politicamente” perfeito, temos que reconhecer que o futebol é sim uma PAIXÃO nacional…

Bora Brasil!

Esse texto foi postado no dia do jogo das quartas de finais contra a Bélgica.

Preciso de Férias!!!

Você já ouviu quando uma mãe diz: quando eu sumir você vai ver!!!??

Pois é, esse sentimento é legítimo.

Será que é “pecado” querer tirar férias de tudo e de todos?

Querer ficar sozinha 3, 5 dias, 1 semana…

Poder ficar só eu comigo mesma…

Sem se preocupar com as contas pra pagar…

Com o horário de dormir e acordar…

Com os relatórios pra entregar…

Com o que precisa comprar…

Com o cardápio da semana…

Poder ficar o dia todo de pijama…

Se tem ou não ração do Sol ou da Lua…

Se o Sol precisa tomar banho…

Sem ter que implorar pra levar o Sol pra passear…

Se a filha fez o dever ou escovou os dentes…

Se tem louça na pia pra lavar…

Cama pra arrumar…

De ter que insistir pra comer salada ou fruta…

De falar está tarde, vai dormir!

Ou simplesmente ficar em silêncio, e não ter que ouvir:

Não tem nada na geladeira

Isso de novo

Não gosto disso ou daquilo

Onde está tal coisa?

Acabou o leite

Acabou o remédio

Estou precisando disso ou daquilo

Você só reclama

Você é chata

Já vou…

Estou indo…

Só quero um tempo em silêncio

Só quero um tempo pra mim

Só isso…nada mais!

SÃO JOÃO

O mês de junho é marcado pelas conhecidas festas juninas…

Desde criança aprendemos a curtir essa festa: dançando quadrilha nas escolas (dancei muito). Lembro-me dos ensaios e das apresentações, com os vestidos coloridos, cheio de babados, o chapéu de palha, trança no cabelo e o rosto com um blush bem rosa com pintinhas pretas.

São muita recordações…

Uma das coisas que mais gostava dessa época eram os balões. Ia a campeonatos e achava lindo demais.

Outra lembrança boa, era o da minha avó e tias fazendo pamonha. Era um dia todo de preparo e muito trabalho: uma limpava o milho, outra ralava e assim ia o dia todo, até a melhor hora que era quando ficavam prontos, e comíamos quentinha com café coado na hora. Ohh tempo bão!

Sem contar, todas as outras comidas típicas deliciosas, ao som de um forrózinho pé de serra…

O tempo passa, e volto a viver esse ritual com os filhos. E ano após ano, sempre surge uma festa: na escola, com amigos ou na empresa.

Vim morar em Salvador, e só no nordeste, pude entender a importância e significado dessa festa, onde para muitas pessoas é melhor que o carnaval.

Por aqui, não se chama Festa Junina, e sim Festa de São João;

o amendoim é cozido (a primeira vez que comi estranhei, e depois amei e viciei);

a canjica é mugunzá;

e o curau é canjica;

a bebida da época não é quentão nem vinho quente, e sim licor.

O dia 24 de junho é feriado, e pra muitos a véspera também.

Quem é da cidade, curte a festa no interior, e assim como no Natal, famílias e amigos se reunem, ao redor de uma mesa farta, fogueira acesa e muitos fogos para comemorar o dia, aliás, outra coisa que me chamou atenção foi o comércio de fogos.

E assim como no dia 25 de dezembro desejamos Feliz Natal, no nordeste dia 24 de junho desejamos Feliz São João!

E assim seja…

São João, São João, acenda a fogueira do meu coração!

MUDAR

Mudar renova e inova…

Mudar mexe com todos os sentidos: novas paisagens, novos cheiros, novos sabores, novos toques…

Um novo recomeço, um novo ciclo…

Hoje, ao fechar a porta do antigo ap pela última vez, dei uma olhada geral, e rapidamente passou um breve filme pela minha cabeça…

Fiquei apenas um ano nesse ap, mas foi tudo tão, tão intenso…tantas coisas aconteceram nesse 1 ano…

Mas esse ciclo se fechou, e não ficaram arrependimentos. Estou pronta para viver novas histórias, conhecer novas pessoas e renovar todos os sentidos.

Após 3 dias da mudança, com muito cansaço físico e emocional  acordei hoje com o corpo dolorido dos pés a cabeça, mas feliz e agradecida pelo novo começo, e enfim, quase tudo organizado.

Agora, nesse restinho de semana, vou me dar o direito de não fazer nada, para na próxima semana retomar a minha rotina de trabalho, academia, alimentação saudável, meditação, afinal, nem tudo muda, e rotina também é bom…

Quem venham novos dias!

Ensinamentos

Compartilhando ensinamentos…

“Tomate previne isso, cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas não exagere… Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos. Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal pra minha saúde.
Prazer faz muito bem. Dormir me deixa 0 km. Ler um bom livro faz-me sentir novo em folha. Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois rejuvenesço uns cinco anos. Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de idéias.
Brigar me provoca arritmia cardíaca. Ver pessoas tendo acessos de estupidez me embrulha o estômago. Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro me faz perder toda a fé no ser humano. E telejornais… Os médicos deveriam proibir – como doem!
Caminhar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo, faz muito bem! Você exercita o autocontrole e ainda acorda no outro dia sem se sentir arrependido de nada. Acordar de manhã arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite é prejudicial à saúde! E passar o resto do dia sem coragem para pedir desculpas, pior ainda!
Não pedir perdão pelas nossas mancadas dá câncer, não há tomate ou mussarela que previna. Ir ao cinema, conseguir um lugar central nas fileiras do fundo, não ter ninguém atrapalhando sua visão, nenhum celular tocando e o filme ser espetacular, uau!
Cinema é melhor pra saúde do que pipoca! Conversa é melhor do que piada. Exercício é melhor do que cirurgia. Humor é melhor do que rancor. Amigos são melhores do que gente influente. Economia é melhor do que dívida. Pergunta é melhor do que dúvida. Sonhar é melhor do que nada!”

Martha Medeiros

CONSUMO X FELICIDADE

Em um dia qualquer, num almoço informal com colegas de trabalho, o assunto era sobre consumo, sobre o quanto precisávamos de pouco quando éramos crianças, sobre humildade, sobre aceitar o que tínhamos e não sofrer por isso, sobre não desejar o que é de outra pessoa…

Lembro-me que quando criança, o supermercado do mês que meus pais faziam, tinham poucas “guloseimas” (doces, iogurtes, biscoitos), e o recado era: quando acabar acabou, só vai ter mais no próximo mês…

Compra de roupas e calçados novos só aconteciam no fim do ano, com o 13º do meu pai…

Presentes, somente no dia das crianças, aniversário e natal, fora essas datas, não adiantava pedir, e nem pedia…

E os presentes não eram escolhidos… sempre uma  surpresa.

Uma vez ao ano os passeios eram no Playcenter (um grande parque de SP que não existe mais) e no Zoológico. Não tinham idas a shoppings e restaurantes todos os finais de semana…Os passeios eram super valorizados.

Viagens aconteciam 1 ou 2 vezes ao ano, para o interior de SP ou Minas Gerais – casa dos meus avós.

E como tive uma infância FELIZ!

Observo as crianças de hoje, e incluo meus filhos (principalmente a mais nova) e percebo como nunca estão satisfeitos, como sempre querem mais e mais e nunca se satisfazem com o que possuem.

As redes sociais e seus inúmeros influencers digitais tem uma grande participação nisso, mostrando na maioria das vezes realidades inatingíveis para a maioria das pessoas, que ficam sonhando, se frustrando e se deprimindo com o que não podem ter, e pior, sem saber se é real  tudo que veem…

Hoje recebi um vídeo da minha amiga Vivian, que me tocou muito, mostrando-me que um dos grandes erros são os NÃOS que nós como pais deixamos de dar.

Seja para compensar a ausência ou falta de atenção, pois na sua grande maioria mãe e pai trabalham, ou porque dizer SIM é mais fácil que dizer NÃO.

Vamos ao texto do John Rosemond, autor e psicólogo familiar para a Prager University. É longo, mas vale à pena!

“Eu quero falar sobre uma vitamina essencial que você provavelmente nunca ouviu falar. Se você é um pai ou uma mãe, ou planeja ser um, pode ser mais importante para o desenvolvimento do seu filho, do que todas as outra vitaminas juntas. E só você, um pai ou uma mãe poderá fornecê-la. Eu a chamo de vitamina N, a palavra NÃO.

Mais e mais crianças que eu me deparo, sofrem de deficiência de vitamina N. E elas, seus pais e toda nossa cultura estão pagando o preço.

Deixe-me ilustrar o meu ponto com uma história que é muito típica:

Um pai, eu vou chamá-lo de Bill, deu ao seu filho de 5 anos praticamente tudo que o menino pediu. Como a maioria dos pais, Bill queria mais do que qualquer coisa que seu filho fosse feliz. Mas, ele não era. Em vez disso, ele era petulante, temperamental e muitas vezes mal humorado. Ele também estava tendo problemas para se dar bem com outras crianças. Ele era muito exigente e raramente ou nunca expressou qualquer apreciação, e muito menos gratidão, por todas as coisas que Bill e sua esposa estavam lhe dando.

Seu filho estava deprimido? Bill queria saber. Precisava de terapia?

Seu filho, eu disse a ele, estava sofrendo os sintomas previsíveis de ser excessivamente indulgente. O que ele precisava era de uma dose saudável e constante de vitamina N.

O excesso de indulgência – uma deficiência de vitamina N – leva a sua própria forma do vício.

Quando o ponto de retornos decrescentes é ultrapassado (e é passado bastante cedo), a recepção de coisas começa a gerar nada, além de querer mais coisas.

Um efeito terrível disso, é que os nossos filhos estão se acostumando a um padrão material que está fora de ordem com o que eles podem esperar alcançar como adultos.

Considere também que muitas, se não a maioria das crianças, atinge este nível de afluência, não por esforço, sacrifício, ou fazer o seu melhor, mas, choramingando, exigindo e manipulando.

Assim, no processo de inflar suas expectativas materiais também ensinamos as crianças que elas podem conseguir qualquer coisa do nada. Isso não só é uma mentira, como também é uma das atitudes mais perigosas e destrutivas que uma pessoa pode adquirir.

Pode ser uma longa história para explicar, por que a saúde mental das crianças na década de 1950, quando as crianças tinham muito menos, era significativamente melhor do que a saúde mental das crianças de hoje.

Desde os anos 50, e especialmente nas últimas décadas, enquanto a indulgência tornou-se a norma parental, as taxas de depressão infantil e adolescente dispararam.

As crianças que crescem acreditando no conto de fadas do “tudo-do-nada” são susceptíveis de se tornar adultos emocionalmente atrofiados e egocêntricos.

Então quando eles próprios se tornam pais, eles são susceptíveis a mimar seus filhos com coisas materiais – as pilhas de brinquedos, bichos de pelúcias e eletrônicos – que se encontram espalhados na maioria das casas. Dessa forma, o excesso de indulgência – uma deficiência de vitamina N, torna-se uma doença hereditária, um vício que passou de uma geração para a próxima.

Isso também explica por que as crianças que recebem muito do que eles querem raramente tomam cuidado com qualquer coisa que eles têm.

Por que eles deveriam? Afinal, a experiência diz a eles que mais está sempre a caminho.

As crianças merecem o melhor. Eles merecem ter pais para cuidar de suas necessidades de proteção, carinho e direção. Além disso, elas merecem ouvir seus pais dizer NÃO, muito mais vezes do que SIM, quando se trata dos seus desejos caprichosos.

Elas merecem aprender o valor do esforço construtivo e criativo. Oposto ao valor do esforço gasto choramingando deitado no chão, chutando e gritando, ou jogando um dos pais contra o outro. Elas merecem aprender que o trabalho é a única maneira verdadeiramente gratificante de obter qualquer coisa de valor na vida. E que quanto mais duro elas se esforçarem, mais completo será o êxito.

No processo de tentar proteger a criança da frustração os pais viraram a realidade de cabeça para baixo. Uma criança criada nessa forma invertida pode não ter as habilidades necessárias para se virar sozinha quando chegar a hora disso.

Aqui vai uma regra simples: vire o mundo dos seus filhos de cabeça para cima, dando-lhes tudo o que eles realmente precisam, mas não mais de 25% do que eles simplesmente querem.

Eu chamo isso de Princípio de Privação Benigna.

Quando tudo isso é dito e feito, a palavra de três letras que mais constrói  caráter na língua portuguesa é “NÃO” – Vitamina N. Distribua com frequência. Você será mais feliz a longo prazo, e assim será o seu filho!”

Com a maturidade aprendi a valorizar o simples, a dar valor ao que realmente importa e ser feliz com pouco!

Por isso, não demore muito para perceber que é preciso de pouco para ser FELIZ, e que a sua FELICIDADE não depende de ninguém!

CARNAVAL

O Carnaval sempre fez parte da minha vida. Pra mim essa festa representa alegria e liberdade.

Alegria porque é uma época que a tristeza da lugar para alegria, e por alguns momentos os problemas desaparecem, e a gente só quer “viver e não ter a vergonha de ser feliz”… (assim como diz a música).

Liberdade porque podemos ser o que temos vontade, colocar a fantasia pra fora e simplesmente se divertir.

Sou paulistana, mas sempre amei o carnaval.

Quando criança e na adolescência ia nas matinês das marchinhas, sempre fantasiada e com muitos confetes e serpentinas.

No interior de SP, onde meus avós moravam, brincava nos bloquinhos de rua.

Quando adulta, essa paixão por carnaval fez eu realizar o sonho de sair numa escola de samba, a Asas de Águia.  Comprei a fantasia, fui nos ensaios, decorei a música para estar preparada pro grande dia. A emoção de entrar na avenida, ouvir e sentir o som da bateria é inexplicável!

Há 10 anos moro em Salvador, e tive a sorte e o privilégio de viver de todas as formas um dos melhores carnavais do país: dentro e em cima do trio, na pipoca, no camarote…e, não é possível explicar com palavras a energia do carnaval da Bahia.

O carnaval é uma festa para todas as idades e classes sociais. Basta vestir sua fantasia ou seu abadá, se encher de alegria e cair na folia!

2017 x 2018

2017 foi um ano de muitas mudanças, com muitos acontecimentos bons e ruins, tristes e alegres e o mais importante, de muitos aprendizados.
Crio as minhas expectativas / metas, baseadas em SAÚDE, FAMÍLIA, LAZER (neste item está viagens, lugares novos, amigos, etc) e APRENDIZADOS/REALIZAÇÕES (cursos, livros, trabalho, etc).

Na SAÚDE, fui relapsa com alguns cuidados, iniciando e não concluindo alguns processos. Gosto de começar o ano fazendo um ckeckup, marcando exames, pra depois ficar só acompanhando e fazendo manutenção. Em 2017 não fiz todos os exames que deveria ter feito. Em 2018 quero marcar todos os médicos logo no início do ano, não só pra mim, mas para meus filhos.
Sobre atividade física, iniciei e parei inúmeras vezes, não mantive a frequência desejada. Espero que em 2018 consiga ter mais disciplina para me exercitar no mínimo 3 vezes por semana.
Deixei de comer carne vermelha há aproximadamente 6 meses, e tenho me sentido melhor com essa escolha, está sendo um “treinamento”, para quem sabe passar a ser vegetariana a partir desse ano.
Em relação à FAMÍLIA, sempre acho que estou em “débito”, que poderia ter feito mais, que deveria ter estado mais presente, e muitas vezes sou “engolida” pela rotina e me distancio dos meus familiares. Não dou conta nem do grupo Família no WhatsApp..rss. Neste item, sempre espero melhorar, participar mais, ligar mais, ser mais paciente e presente.
No LAZER, mesmo com todas as dificuldades financeiras que enfrentei esse ano, tento me programar e priorizar algumas coisas: fiz 5 viagens: no carnaval para Fortaleza com toda a família, no meio do ano para Foz do Iguaçu, em setembro para o Rio de Janeiro, e realizei o meu sonho de ir ao Rock in Rio, em dezembro, fiz uma viagem para o Guarujá com minhas amigas (também era um sonho a ser realizado para todas nós), e ainda em dezembro, vim para Minas Gerais para as festas de fim de ano com minha família.
Fui ao cinema algumas vezes, assisti à muitos filmes, fui a shows, teatro, parques.
Para 2018, espero fazer ao menos 2 viagens, ir mais à praia, estar mais entre amigos e conhecer novos lugares (mesmo que dentro da minha cidade), e experimentar novos sabores, novos restaurantes.
Sobre o APRENDIZADOS/REALIZAÇÕES, fiz bem menos do que gostaria, li pouco, trabalhei muito e não investi em cursos, quero em 2018 fazer fotografia e teatro, 2 cursos que tenho muita vontade de fazer.
Não posso esquecer, que em maio de 2017 resolvi criar meu blog, o Tenho 40+, não é um blog profissional, mas é um espaço onde escrevo sobre meus pensamentos, sonhos, realizações, tenho curtido muito ter esse espaço só meu.
Como comentei anteriormente, foi um ano difícil financeiramente, fiz alguns ajustes, mudei de apartamento, comprei menos roupas, reduzi as idas ao salão de beleza, mudei pacotes de telefone, assinatura de TV, etc…mas, tenho muito o que aprender no aspecto economia.
Mas, uma coisa é certa: por mais que planejamos, não temos o controle de nada, o mais importante é seguir nosso coração e dar valor ao que realmente importa.
Acima de tudo, sou grata por tudo e todos, que de longe ou perto fizeram a diferença, pelas pessoas que conheci e por tudo que aprendi.
Meu desejo é saúde e paz no coração, força e coragem para lutar pelos sonhos!
Que venha 2018, estou pronta!